Série: Blogs X Autores: A Maldita Fofoca


Fala galera!

Estou meio sumida, não? Mas como diria nosso amado e finado José Wilker: "O tempo ruge e a Sapucaí é grande.". Então, antes tarde do que nunca e hoje vim falar de uma das coisas mais reclamadas nas redes sociais atualmente. A fofoca! Seja ela no âmbito profissional ou social, ela está aí e sempre incomoda.

Este talvez seja o maior mal da humanidade, muitas vezes associado a um dos sete pecados capitais, a inveja, ou ainda ao despeito, insegurança ou simplesmente a incompetência mesmo. Minha mãe sempre que diz que a fofoca é a arma do incapaz de fazer algo útil e às vezes realmente acredito que seja isso. Seja no mundo virtual ou no real, a fofoca, a inveja e tudo o que sitei realmente existe, mas até que ponto isso tem atrapalhado o mundo literário? Em tudo!

É grande o número de autores e blogueiros literários sendo vítimas daqueles que deveriam estar ali para apoiá-lo. Como escritora e blogueira, acredito que já vi esse mal atingir os dois lados de forma tão cruel que me custa acreditar que pessoas dispostas a fazer o mesmo trabalho, ou trilhar por um mesmo caminho estejam se digladiando gratuitamente pelo simples fato de não ser capaz de fazer o sucesso ou o trabalho que o outro faz.
"O mercado nacional para autores brasileiros é cruel, é injusto, e a única forma que temos de fazer isso alavancar é nos ajudar."
Cerca de um ano atrás, no Twitter, aconteceu algo que foi motivo para que deixasse de usar um pouco essa rede. É normal que blogueiros sigam-se por lá, para ter acesso as informações dos colegas e obviamente, ela não é usada apenas para isso. O mesmo acontece com o Facebook ou então dentro da sua casa, mas vamos lá. Certo dia resolvi dar uma olhada nas novidades em minha Feed no twitter e lá estava um certo grupinho de blogueiras, acho bom ressaltar que são blogueiras de blogs de certo renome, o que realmente me chocou ainda mais, pois elas realmente não precisavam estar falando mal de ninguém ou jogando indiretas ou criticando alguém que não era nem de perto capaz de derrubar o reinado delas, diga-se de passagem. Estavam nitidamente rindo do trabalho de alguém, fazendo chacota e isso me deixou revoltada, pois além de deselegante é uma coisa feia demais a se fazer, é cruel. 

Todos temos direito de brincar com o que quisermos e o mais importante, cada um de nós tem o direito de ter uma opinião ou estilo diferente do outro, mas isso passa a ser degradante quanto é feito em público. Se você tem um problema com alguém e quer falar com outra pessoa que conhece o que você está passando, ótimo, isso é muito importante, mas ainda mais importante é você chamar essa pessoa em off para que o assunto seja tratado. 

O ocorrido me fez pensar se realmente eu gostaria de fazer parte desse meio e, na mesma hora, eu soube que não. Deixei de seguir as tais blogueiras e dei um tempo com Twitter, simplesmente acredito que não devo crescer ou aumentar minha influência na web subjugando ninguém, nem atrapalhando o trabalho de ninguém. 

Então, blogueiros, reflitam... vale a pena ficar denegrindo outro blog? Eu acho que não, tanto porque não somos os únicos que fazemos esse trabalho, sempre vai haver alguém que trabalha melhor que nós, que tem mais estrutura. A vida é assim e ninguém é melhor do que ninguém.

E por falar nessa coisa de igualdade, os autores nacionais também não ficam atrás, talvez sejam o tipinho mais venenoso da rede. Digo isso como autora e como blogueira com um certo número de autores nacionais vinculados ao meu blog. 

Como tenho alguns autores nacionais parceiros no blog, acabo adicionando-os às minhas redes sociais pessoais para que possamos manter um contato mais intimista e, claro, para que eles possam me inspirar e encorajar em meus próprios trabalho literários, por essa razão, tenho visto muitos desabafos quanto a forma como outros autores adquirem o livro de alguém e depois saí por aí, não falando mal, mas destruindo a obra literária do colega.
Em minhas mãos, já passaram muitos autores, muitos bons, alguns nem tanto, mas meus pareceres foram sempre focados aos pontos fortes e as coisas que eu acreditava necessário amadurecer na trama. Não é fácil para mim, não é fácil para você e não foi fácil para quem conseguiu ser bestseller em uma grande editora, não é fácil pra ninguém. Então, porque ficar destruindo o trabalho alheio? Porque ler algo simplesmente para ficar medindo forças para ver quem é melhor? Estamos todos no mesmo maldito barco e se você abre um furo do lado do seu colega a água vai entrar e você vai afundar junto.

Porque digo isso? 

O mercado nacional para autores brasileiros é cruel, é injusto, e a única forma que temos de fazer isso alavancar é nos ajudarmos mutuamente, se você, por puro despeito está aí malhando o trabalho alheio com criticas ácidas direcionadas a um individuo que você não conhece e já acha que ele é superior a você não está contribuindo com nada, nem mesmo para ajudar a si mesmo.

Existem autores e autores no Brasil, uns muito bons outros nem tanto, mas isso não lhe dá o direito de usar o dom lhe dado da escrita para matar alguém nesse meio. Sua opinião sobre ele pouco vale, assim como a dele sobre você e as editoras, acreditem, estão pouco ligando para quem escreve melhor ou não, elas querem lucro e você é fonte disso, quanto mais seguidores, mais downloads ou mais influência você tiver, mais chances de publicar em uma grande editora. 
Agora é sua vez, autor, de meditar? Quem muito critica, quem sempre é pessimista, se torna chato, pedante e normalmente as pessoas pouco se importam com você ao ponto de te admirar, a não ser é claro, que elas sejam exatamente como você. Você precisa de aliados, não de inimigos, então não dissemine discórdia. Uma opinião mais verdadeira sobre o trabalho do amigo pode garantir a você mais um aliado, pois se você se dispôs a ler o trabalho dele, ele terá o mesmo cuidado.

Se todos pensássemos dessa forma, as coisas funcionariam muito melhor. Como li certa vez no twitter do Eduardo Spohr, um autor que admiro muito: "Quando você acha que seu trabalho é ótimo, ele está uma merda. Quando você acha que está uma merda, ele está aceitável, possivelmente bom."

Reflita sobre isso:
Ser blogueiro ou autor, não faz de ninguém uma estrela. Muitos são famosos, mas poucos fazem um trabalho realmente sincero e competente. E passar sobre as pessoas nunca leva ninguém a lugar nenhum.


Texto:
R A Í S S A • N A N T E S
Resenhista, aspirante a escritora e, agora, colunista do Clube dos Novos Autores.